terça-feira, 2 de abril de 2013

A mudança de 180º dos últimos tempos

Quem me segue há mais tempo, provavelmente achará a primeira parte deste post um bocado chata, mas como reparei que tenho seguidoras novas, tenho de começar pelo princípio :)

Em Outubro de 2011, fui viver para Braga sozinha. Eu sou do Porto e toda a vida vivi com os meus pais, excepção feita aos 6 meses que vivi em Itália em 2010, quando fiz Erasmus. Terminei o curso em 2010 e, depois de um gap year, entrei no Mestrado na Universidade do Minho. Como era em regime pós-laboral, optei por ir viver para lá e, consequentemente, arranjei lá um emprego. No mesmo dia dormi pela primeira vez no meu apartamento, comecei a trabalhar e comecei as aulas. Nunca me vou esquecer desse dia :)

Fiz o primeiro ano curricular e entretanto podia ter voltado para o Porto. Mas renovaram-me sucessivamente o contrato e eu gostava, genuinamente, do que fazia. Apesar de ser uma loja muito complicada no que diz respeito aos clientes e ao trabalho em si (é de loucos, especialmente em épocas de Natal e férias), a verdade é que eu gostava muito de lá trabalhar. Resmungava imenso com tudo, e sempre que vinha a casa aos fins-de-semana era ver-me maldizer a minha vida, mas lá eu sentia que, apesar de nem sempre o demonstrarem, até davam valor ao meu trabalho.

Como devem imaginar, quem anda uma vida inteira a estudar (e que até tem um currículo, para muitos invejável), contentar-me com um emprego numa loja é redutor. Eu própria dizia mal da minha vida, porque não via grande futuro à minha frente.

Em Janeiro deste ano relatei aqui no blogue que tinha ido a uma entrevista para um estágio profissional e não tinha sido seleccionada. Essa entrevista foi no Porto, era para um cargo na minha área e era bom demais para ser verdade ter conseguido sequer ser seleccionada para a fazer. Na altura, disse logo que não me tinham escolhido e continuei a ter pena de mim.

No final de Fevereiro, ligaram-me; a pessoa que tinham seleccionado não era elegível pelo IEFP, e uma vez que eu era a segunda escolha deles, propuseram-me começar de imediato. Foi um choque. Sempre achei que estava preparada para a eventualidade de uma coisa destas acontecer, mas não. De um momento para o outro, eu tinha de deixar Braga, o Mestrado (não é conciliável) e o meu emprego. Não hesitei. Logo no dia seguinte fui despedir-me. 

Imaginava que ia ser difícil. Afinal, foi o meu primeiro emprego e eu sei que dei muito de mim àquela loja. Achava que até gostavam do meu trabalho, mas nós éramos bastantes funcionários, por isso pensei que não faria grande diferença eu vir-me embora. Não pude dar o mês de indemnização à entidade patronal e achei que isso me levantaria problemas e que a reacção deles não fosse a melhor.

O que aconteceu no dia que me despedi e nos dois dias seguintes (os últimos que trabalhei) foram muito além do que eu imaginei que pudesse acontecer. Nunca na vida me senti tão angustiada por alguma coisa. A reacção dos meus colegas, chefes, e os próprios serviços de recursos humanos é algo que nunca vou esquecer. Fizeram-me sentir verdadeiramente importante. Não queriam que me viesse embora, fizeram-me contra-propostas, sugeriram que viesse trabalhar para a loja do Porto, caso o facto de estar em Braga fosse um problema, e até me disseram que me conseguiriam arranjar um part-time de fim-de-semana no Porto para eu conciliar com o estágio e continuar na empresa. Foram absolutamente incríveis. A directora dos recursos humanos perguntou-me, durante esses três dias, se eu tinha a certeza que queria vir embora. Quando perceberam que eu não iria aceitar nenhuma das propostas, a gerente e os meus chefes mais directos vieram falar comigo pessoalmente. E o que eles me disseram.... bem, acho que só de pensar nisso fico com a lágrima no canto do olho :) Disseram-me que esperavam que eu tivesse muito sucesso (que sabiam que eu teria), mas que queriam que eu soubesse que podia sempre voltar, tanto para a loja de Braga como outra qualquer. A Gerente disse que caso eu precisasse, ela própria se encarregaria de me escrever uma carta de recomendação, e que se eu voltasse para lá, ela tinha a certeza que eu iria chegar longe. O meu chefe mais directo (com quem eu tinha uma relação incrível) deu-me o número de telemóvel pessoal dele (para, no futuro, se eu precisasse de voltar falar directamente com ele) e o outro (de um nível hierárquico superior) enviou-me uma mensagem pelo facebook que acho que vou imprimir e colar no quarto para ler sempre que o dia me correr mal.

E assim, passei de uma situação que achei que me deixava infeliz, para uma que achei que me faria muito feliz. Mas, a verdade é que sinto todos os dias saudades deles. Sinto todos os dias saudades da minha rotina. E o ambiente onde trabalho agora parece-me demasiado hostil (a equipa é pequena e só de mulheres). 

Se me arrependo? Claro que não! Eu tinha de tentar e o trabalho que estou a fazer agora é muito bom e tem tudo a ver com o que eu estudei. Mas aquela loja e aquelas pessoas vão ficar-me no coração. Chorei imenso no dia em que me vim embora e sei que, se um dia lá voltar, serei recebida de braços abertos.

E pronto, aqui fica a minha história. Tudo isto para dizer que mudei de um emprego onde passava o dia a correr, para outro onde estou 8 horas sentada. Isto deve explicar alguma coisa...

6 comentários:

  1. eu estou em fase de mudança, de procurar um novo emprego para me continuar a sentir realizada e deixaste-me a pensar! não é fácil, principalmente, quando tinhas um bom ambiente e gostavas de ti, assim como gostavam de ti à volta...
    mas temos sempre que tentar algo na nossa área... vais ver que as coisas vão melhorar :)!
    beijinho

    ResponderEliminar
  2. Eu gostei muito de ler a tua história, mesmo que já soubesse algumas partes ;) Ainda bem que te sentiste apreciada, isso é muito importante ;) Desejo-te a maior das sortes neste novo projecto :D

    Beijinhos e tem um bom resto de dia :D

    ResponderEliminar
  3. Obrigado por partilhares a tua historia, com quem é teu seguidor recente=)

    ResponderEliminar
  4. Olá Saskia!
    Gostei muito de ler a tua história. Percebi as dificuldades que tens passado - não é fácil perder um bom ambiente de trabalho para ficar num emprego melhor, mas com pior ambiente. No entanto, apoio a tua decisão, acho que deves ter feito o melhor por ti! Temos de procurar fazer aquilo de que realmente gostamos.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  5. Saskia, Não fazes ideia de como fiquei feliz ao ler este teu post!
    Eu sabia que as coisas se iriam compôr! Tudo tem uma razão de ser e as coisas boas ainda mais!!!!!

    Um beijinho grande e bom regresso!!!!

    Sweet

    ResponderEliminar
  6. Engraçado que aconteceu algo parecido comigo no ultimo mes!! Recebi uma proposta para ir trabalhar para uma loja e, apesar de ser em part time e nao em full time como onde esava antes, nao recusei porque era uma area onde me da gozo trabalhar e porque trabalhei muitos anos no BParque e sempre adorei =) Só tenho boas experiencias e historias a contar de quando la trabalhei :) se ia receber mais ou menos, sinceramente nem pensei nisso, só pensei que ia voltar a ter o respeito de alguem e sentir o meu trabalho valorizado =) E nao ha nada melhor que isso =)
    A pequena diferença foi que os meus ja ex patroes foram uns c******(desculpa o termo) , nao me deixaram dar os 30 dias à casa (quando eu ja tinha o horario das proximas 3 semanas e era compativel!!-alteraram tudo), e obrigaram me a pagar uma indeminização!!! Mesmo assim ainda tenho a receber um x e ate agora nada!!! :s É triste! Mas sabes que mais?? não me arrependo nem um minuto =) Foi por essas atitudes que sai de lá =)
    Espero que tudo te corra bem nesta nova fase da tua vida =) Aproveita bem a oportunidade eu sei bem o quão é dificil arranjar trabalho na "nosssa" area =) bjinhos *

    ResponderEliminar